ban or ban sc ban br

Saúde

Unidade realiza em média 60 atendimentos/mês atuando em Orleans e municípios vizinhos

A Administração Municipal de Orleans por meio da Secretaria de Saúde apresentou à população, os novos membros da equipe do Serviço médico de atendimento de emergência (SAMU), que realizam o atendimento de suporte básico. Com a ambulância totalmente equipada, e equipe completa para suporte básico, a região está segura com o serviço que visa garantir o atendimento às pessoas até a chegada à unidade de saúde.

Desde o início desta semana, já estão atuando em Orleans os novos profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência que foram selecionados por meio do processo seletivo simplificado no município de Orleans, o SAMU estava com falta de profissionais técnicos e condutores, a quase 1 ano.

O serviço conta com profissionais habilitados tendo na coordenação, a enfermeira Karla Pickler Cunha com longa experiência com o serviço de Urgência e Emergência. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) tem como objetivo chegar precocemente à vítima após ter ocorrido alguma situação de urgência ou emergência que possa levar a sofrimento, as sequelas ou mesmo à morte. São urgências situações de natureza clínica, cirúrgica, traumática, obstétrica, pediátrica, psiquiátrica, entre outras.

O que é o SAMU

 

O SAMU 192 é um serviço gratuito, que funciona 24 horas, por meio da prestação de orientações e do envio de veículos tripulados por equipe capacitada, acessado pelo número "192" e acionado por uma Central de Regulação das Urgências.

A coordenadora explica que a equipe entrega a população o serviço organizado, contando com 5 equipes para melhor atender a população orleanense. “Atuamos em Orleans e nos municípios vizinhos trabalhando muito, com muito amor e respeito a vida humana”, ressalta Karla.

Última modificação em Sexta, 05 Abril 2019 10:05

Conferência reúne servidores e usuários do Sistema Único de Saúde para
debater os temas de saúde na cidade

Democracia e Saúde é o tema da 6ª Conferência Municipal de Saúde de Orleans, que acontece nesta quarta-feira 27, no centro de Idosos Emília Debiasi Pinter. Na conferência, servidores e usuários do Sistema Único de Saúde se reúnem para debater temas, propor melhorias para o setor da saúde na cidade e apresentar em outras conferências.

Durante o evento são discutidos as prioridades locais de saúde, que compõem a etapa municipal da Conferência Nacional de Saúde. O objetivo da organização é ampliar a participação popular nos debates de temas relacionados à saúde. A Secretaria tem se esmerado na elaboração do evento que conta com palestras, e envolve os participantes em discussões das propostas. "No fechamento do evento, as proposições apresentadas são votadas e há eleição de delegados, que apresentam as propostas vencedoras na etapa estadual da conferência", explica a secretária de Saúde Luana Debiasi.

O prefeito Jorge Koch entende que é muito importante a discussão no município e que as propostas municipais podem melhorar a vida das pessoas. "As sugestões apontadas na conferência e aprovadas em Orleans, devem ser defendidas em outras fases da conferência como a regional e a estadual e se forem aprovadas podem representar o município na conferência nacional", destacando a importância da Conferência Municipal.

 

Programação do Evento

13:00h – Credenciamento e apresentação Cultural;
13:30h – Solenidade de Abertura;
13:45h – Leitura e aprovação do Regimento Interno;
14:00h – Palestra: "Democracia e Saúde: Direito e Consolidação e Financiamento do SUS";
15:00h – Discussão em grupos dos eixos temáticos;
16:00h – Coffee break;
16:30h – Plenária para aprovação das propostas;
17:00h – Eleição dos delegados para etapa Estadual;
17:30h – Plenária e aprovação do Relatório Final;
18:00h – Encerramento

 

Última modificação em Segunda, 25 Março 2019 11:22

Objetivo é zerar a fila de espera e devolver qualidade de vida a 36 orleanenses

A Administração Municipal de Orleans por meio das Secretaria de Saúde e Assistência Social, iniciou na segunda-feira 11, um mutirão de cirurgias de catarata, para beneficiar cerca de 36 pessoas que estavam na fila de espera. De acordo com o prefeito Jorge koch, o objetivo é zerar nesta semana a fila de espera de pacientes cadastrados no Sistema de Regulação da cidade.

O serviço está sendo realizado na Associação Hospitalar Nossa Senhora de Fátima, na cidade de Praia Grande, especializada no procedimento e conveniada ao SUS. As cirurgias acontecem durante essa semana. Com o final da fila de espera, a Secretária Luana Debiasi explica que para dar tudo certo, toda a administração se empenhou desde passando a Assistência Social com o transporte, passando pelo chefe de gabinete Gabriel Bianco solicitando a viabilidade do transporte para um número maior de pacientes dinamizando a organização desse ‘sonho’, formando um verdadeiro ‘time’ nessa administração”, menciona a Secretária.

“A catarata, associada ao envelhecimento da população, é a principal causa de cegueira no mundo” explicou o vice-prefeito Mário Coan, mencionando que os pacientes que necessitam da cirurgia e que ainda não estão inscritos no Sistema de Regulação, devem procurar a Central de Regulação do município, procurando primeiro a Unidade de Saúde que está cadastrado.

A campanha de cirurgias Eletivas será gerenciada pela secretaria de estado de saúde, Ses/SC, acompanhada pelas comissões intergestoras regionais e estaduais.

 

Saiba mais

Como é feita a cirurgia
(Com informações do portal Tua saúde)

A cirurgia é feita, geralmente, sob anestesia local, que pode ser tanto por injeção quanto pela utilização de colírios anestésicos. O procedimento, geralmente, é rápido, durando cerca de 30 minutos e não provoca dor durante o ato cirúrgico. A recuperação em geral é rápida e, em torno de 1 semana a pessoa já pode fazer grande parte de suas atividades rotineiras.

A cirurgia acontece a partir de um corte na córnea que permite que seja retirado o cristalino danificado, que é substituído por uma lente artificial transparente capaz de restaurar a visão da pessoa.

Uma opção mais recente e moderna de cirurgia consiste em um laser capaz de realizar várias etapas do procedimento cirúrgico. Sabe-se, entretanto, que o laser na cirurgia de catarata habitual não se mostra melhor que um cirurgião experiente. Em casos de alterações anatômicas significativas, o laser mostra um diferencial importante, pois auxilia o cirurgião em algum passo que pudesse ser mais desafiador para o mesmo. Saiba mais sobre os novos tratamentos para catarata.

 

Riscos da cirurgia para catarata

A cirurgia é um procedimento geralmente rápido e, devido ao desenvolvimento técnico tanto dos aparelhos como dos médicos oftalmologistas, apresenta altas taxas de sucesso, lembrando que não é isento de complicações, entre elas infecções que podem levar à cegueira definitiva. A recuperação em geral é rápida e, em torno de 1 semana a pessoa já pode fazer grande parte de suas atividades rotineiras.

No caso da catarata congênita, o risco de é maior, pois a cirurgia é mais desafiadora, além de todo o processo de cicatrização da criança ser diferente do adulto. O acompanhamento após a cirurgia é fundamental para que a visão da criança possa ser estimulada da melhor forma possível e que sejam corrigidos sempre que necessário os problemas de refração (grau dos óculos) para uma melhor visão.

 

Como é a recuperação

  • A recuperação em geral é rápida e, em torno de 1 semana a pessoa já pode fazer grande parte de suas atividades rotineiras. Para um cuidado adequado, deve-se:
  • Utilizar óculos de sol sempre que sair na rua, pelo menos durante 24 horas;
  • Repousar nos primeiros 2 dias, evitando fazer esforços excessivos;
  • Colocar os colírios anti-inflamatórios, de acordo com a indicação do médico.

 

Ministério da Saúde recomenda que todos os moradores de SC com idade entre 9 meses e 59 anos devem tomar a vacina contra a febre

Foi coroado de sucesso o Dia D de vacinação contra febre amarela, realizado no sábado 09, pela Secretaria de Saúde municipal em Orleans, Foram aplicadas 1250 vacinas só no sábado, no jardim da praça central de Orleans e nas salas de vacinação. Quem não pôde receber a dose na data, não tem problema: a vacinação continua de segunda a sexta-feira nas unidades de saúde.

“Com a liberação de mais doses pelo Estado, conseguimos ampliar o público-alvo, atendendo agora qualquer morador, não apenas aqueles que vão viajar para áreas de risco”. Conta o prefeito Jorge Koch, que acompanhou os trabalhos. Quem ainda não recebeu a dose, pode procurar uma das unidades de saúde disponíveis durante a semana. “Vale lembrar que Orleans não possui casos suspeitos de febre amarela, por isso, a prevenção é muito importante, para mantermos estes números zerados”, emendou o vice Mário Coan.

A enfermeira Sara Pavei conta que em Orleans três Unidades de Saúde com sala de vacinação estão preparadas para diariamente fazer a vacina. Santa Luzia no Bairro Rio Belo, Nossa Senhora Aparecida, na Pindotiba e São Lucas, no centro. “A imunização é aberta a toda a população. É necessário levar a carteirinha de vacinação e, quem já possui, também o cartão do SUS”, explica a enfermeira.

A vacina contra a febre amarela é contraindicada nos seguintes casos:

  • Pessoas com sistema imunológico comprometido por alguma doença;
  • Gestantes;
  • Mulheres que estão amamentando;
  • Portadores de doenças autoimunes;
  • Quem tem alergia grave a ovo;
  • Crianças menores de seis meses de idade e acima de sessenta anos;
  • Pacientes submetidos a transplante de órgãos.

A vacina pode trazer alguns efeitos colaterais brandos, que normalmente aparecem em até 5 dias após a vacinação e desaparecem naturalmente, como febre, dor de cabeça, dor muscular, dor no local da aplicação e/ou inchaço, vermelhidão e manchas no local da aplicação.