ban or ban sc ban br

Saúde

Objetivo é zerar a fila de espera e devolver qualidade de vida a 36 orleanenses

A Administração Municipal de Orleans por meio das Secretaria de Saúde e Assistência Social, iniciou na segunda-feira 11, um mutirão de cirurgias de catarata, para beneficiar cerca de 36 pessoas que estavam na fila de espera. De acordo com o prefeito Jorge koch, o objetivo é zerar nesta semana a fila de espera de pacientes cadastrados no Sistema de Regulação da cidade.

O serviço está sendo realizado na Associação Hospitalar Nossa Senhora de Fátima, na cidade de Praia Grande, especializada no procedimento e conveniada ao SUS. As cirurgias acontecem durante essa semana. Com o final da fila de espera, a Secretária Luana Debiasi explica que para dar tudo certo, toda a administração se empenhou desde passando a Assistência Social com o transporte, passando pelo chefe de gabinete Gabriel Bianco solicitando a viabilidade do transporte para um número maior de pacientes dinamizando a organização desse ‘sonho’, formando um verdadeiro ‘time’ nessa administração”, menciona a Secretária.

“A catarata, associada ao envelhecimento da população, é a principal causa de cegueira no mundo” explicou o vice-prefeito Mário Coan, mencionando que os pacientes que necessitam da cirurgia e que ainda não estão inscritos no Sistema de Regulação, devem procurar a Central de Regulação do município, procurando primeiro a Unidade de Saúde que está cadastrado.

A campanha de cirurgias Eletivas será gerenciada pela secretaria de estado de saúde, Ses/SC, acompanhada pelas comissões intergestoras regionais e estaduais.

 

Saiba mais

Como é feita a cirurgia
(Com informações do portal Tua saúde)

A cirurgia é feita, geralmente, sob anestesia local, que pode ser tanto por injeção quanto pela utilização de colírios anestésicos. O procedimento, geralmente, é rápido, durando cerca de 30 minutos e não provoca dor durante o ato cirúrgico. A recuperação em geral é rápida e, em torno de 1 semana a pessoa já pode fazer grande parte de suas atividades rotineiras.

A cirurgia acontece a partir de um corte na córnea que permite que seja retirado o cristalino danificado, que é substituído por uma lente artificial transparente capaz de restaurar a visão da pessoa.

Uma opção mais recente e moderna de cirurgia consiste em um laser capaz de realizar várias etapas do procedimento cirúrgico. Sabe-se, entretanto, que o laser na cirurgia de catarata habitual não se mostra melhor que um cirurgião experiente. Em casos de alterações anatômicas significativas, o laser mostra um diferencial importante, pois auxilia o cirurgião em algum passo que pudesse ser mais desafiador para o mesmo. Saiba mais sobre os novos tratamentos para catarata.

 

Riscos da cirurgia para catarata

A cirurgia é um procedimento geralmente rápido e, devido ao desenvolvimento técnico tanto dos aparelhos como dos médicos oftalmologistas, apresenta altas taxas de sucesso, lembrando que não é isento de complicações, entre elas infecções que podem levar à cegueira definitiva. A recuperação em geral é rápida e, em torno de 1 semana a pessoa já pode fazer grande parte de suas atividades rotineiras.

No caso da catarata congênita, o risco de é maior, pois a cirurgia é mais desafiadora, além de todo o processo de cicatrização da criança ser diferente do adulto. O acompanhamento após a cirurgia é fundamental para que a visão da criança possa ser estimulada da melhor forma possível e que sejam corrigidos sempre que necessário os problemas de refração (grau dos óculos) para uma melhor visão.

 

Como é a recuperação

  • A recuperação em geral é rápida e, em torno de 1 semana a pessoa já pode fazer grande parte de suas atividades rotineiras. Para um cuidado adequado, deve-se:
  • Utilizar óculos de sol sempre que sair na rua, pelo menos durante 24 horas;
  • Repousar nos primeiros 2 dias, evitando fazer esforços excessivos;
  • Colocar os colírios anti-inflamatórios, de acordo com a indicação do médico.

 

Ministério da Saúde recomenda que todos os moradores de SC com idade entre 9 meses e 59 anos devem tomar a vacina contra a febre

Foi coroado de sucesso o Dia D de vacinação contra febre amarela, realizado no sábado 09, pela Secretaria de Saúde municipal em Orleans, Foram aplicadas 1250 vacinas só no sábado, no jardim da praça central de Orleans e nas salas de vacinação. Quem não pôde receber a dose na data, não tem problema: a vacinação continua de segunda a sexta-feira nas unidades de saúde.

“Com a liberação de mais doses pelo Estado, conseguimos ampliar o público-alvo, atendendo agora qualquer morador, não apenas aqueles que vão viajar para áreas de risco”. Conta o prefeito Jorge Koch, que acompanhou os trabalhos. Quem ainda não recebeu a dose, pode procurar uma das unidades de saúde disponíveis durante a semana. “Vale lembrar que Orleans não possui casos suspeitos de febre amarela, por isso, a prevenção é muito importante, para mantermos estes números zerados”, emendou o vice Mário Coan.

A enfermeira Sara Pavei conta que em Orleans três Unidades de Saúde com sala de vacinação estão preparadas para diariamente fazer a vacina. Santa Luzia no Bairro Rio Belo, Nossa Senhora Aparecida, na Pindotiba e São Lucas, no centro. “A imunização é aberta a toda a população. É necessário levar a carteirinha de vacinação e, quem já possui, também o cartão do SUS”, explica a enfermeira.

A vacina contra a febre amarela é contraindicada nos seguintes casos:

  • Pessoas com sistema imunológico comprometido por alguma doença;
  • Gestantes;
  • Mulheres que estão amamentando;
  • Portadores de doenças autoimunes;
  • Quem tem alergia grave a ovo;
  • Crianças menores de seis meses de idade e acima de sessenta anos;
  • Pacientes submetidos a transplante de órgãos.

A vacina pode trazer alguns efeitos colaterais brandos, que normalmente aparecem em até 5 dias após a vacinação e desaparecem naturalmente, como febre, dor de cabeça, dor muscular, dor no local da aplicação e/ou inchaço, vermelhidão e manchas no local da aplicação.

 

Comemoração acontece nesta quinta-feira no Centro Administrativo e na sexta-feira na Unidade São Francisco, com palestras cheias de informação e divertimento

Com o objetivo da valorização e do cuidado com a saúde das mulheres do município, a Secretaria de Saúde de Orleans, está lançando a programação para o Dia Internacional da Mulher, comemorado no mundo todo, nesta sexta-feira 08. Serão duas tardes de muita descontração, brincadeiras, palestras e valorização da mulher com dicas de saúde, direito, sexualidade, prevenção de DST´s, coffee breack e sorteio de muitos brindes.

A secretária Luana Debiasi conta que o evento é uma forma singela de homenagear as servidoras e valorizar as mulheres, que ao longo dos anos vem conquistando seu espaço em todos os degraus da sociedade. O evento está marcado para essa quinta-feira 07, no Centro Administrativo às 9:00 e 14:00 hs, e, na sexta feira 08, na Unidade São Francisco, palestras, com as Psicólogas Daniela Tezza Canever e Ana Regina Zomer, as enfermeiras Karla Pickler Cunha e Daiane Carboni Coan Bett.

O vice-prefeito Mário Coan, que responde pela secretaria de finanças da administração municipal, relata que as mulheres cuidam e sustentam a família e merecem este momento diferenciado de palestra, informações e brincadeiras, para que elas sejam valorizadas tanto quanto merecem.

Já o prefeito Jorge Koch entende que as mulheres merecem todo o repito da sociedade e da administração municipal. “Sabemos que a mulher hoje é a que mais se cuida, é a que mais procura ajuda, é a que vai ao posto de saúde para ser consultada e leva os filhos e o marido e no dia dedicado a elas, é importante estarmos reforçando as informações para que elas fiquem sempre atualizadas”, destacou o chefe do executivo.

 

Saiba por que o dia das mulheres é comemorado no dia 8 de março

As histórias que remetem à criação do Dia Internacional da Mulher alimentam o imaginário de que a data teria surgido a partir de um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. Sem dúvida, o incidente ocorrido em 25 de março daquele ano marcou a trajetória das lutas feministas ao longo do século 20, mas os eventos que levaram à criação da data são bem anteriores a este acontecimento.

Desde o final do século 19, organizações femininas oriundas de movimentos operários protestavam em vários países da Europa e nos Estados Unidos. As jornadas de trabalho de aproximadamente 15 horas diárias e os salários medíocres introduzidos pela Revolução Industrial levaram as mulheres a greves para reivindicar melhores condições de trabalho e o fim do trabalho infantil, comum nas fábricas durante o período.

O primeiro Dia Nacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908 nos Estados Unidos, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país. No ano seguinte, o Partido Socialista dos EUA oficializou a data como sendo 28 de fevereiro, com um protesto que reuniu mais de 3 mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro de 1909, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas.

Em 1910, durante a II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas na Dinamarca, uma resolução para a criação de uma data anual para a celebração dos direitos da mulher foi aprovada por mais de cem representantes de 17 países. O objetivo era honrar as lutas femininas e, assim, obter suporte para instituir o sufrágio universal em diversas nações.

Com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) eclodiram ainda mais protestos em todo o mundo. Mas foi em 8 de março de 1917 (23 de fevereiro no calendário Juliano, adotado pela Rússia até então), quando aproximadamente 90 mil operárias manifestaram-se contra o Czar Nicolau II, as más condições de trabalho, a fome e a participação russa na guerra - em um protesto conhecido como "Pão e Paz" - que a data consagrou-se, embora tenha sido oficializada como Dia Internacional da Mulher, apenas em 1921.

Somente mais de 20 anos depois, em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres. Nos anos 1960, o movimento feminista ganhou corpo, em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher e em 1977 o "8 de março" foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas.

 

Dia da Mulher no Brasil

No Brasil, as movimentações em prol dos direitos da mulher surgiram em meio aos grupos anarquistas do início do século 20, que buscavam, assim como nos demais países, melhores condições de trabalho e qualidade de vida. A luta feminina ganhou força com o movimento das sufragistas, nas décadas de 1920 e 30, que conseguiram o direito ao voto em 1932, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas. A partir dos anos 1970 emergiram no país organizações que passaram a incluir na pauta das discussões a igualdade entre os gêneros, a sexualidade e a saúde da mulher. Em 1982, o feminismo passou a manter um diálogo importante com o Estado, com a criação do Conselho Estadual da Condição Feminina em São Paulo, e em 1985, com o aparecimento da primeira Delegacia Especializada da Mulher.

 

Última modificação em Quinta, 07 Março 2019 11:54

A saúde ultrapassa 5.000 atendimentos médicos mensais. Novos médicos começam atuar na próxima semana

A saída repentina e sem aviso prévio de quatro médicos que atendiam nos postos da Estratégia da Saúde da Família (ESFs), tem causado alguns transtornos neste início da semana, na gestão da saúde da Administração Municipal de Orleans. Para não deixar a população desassistida e nenhum posto de saúde sem atendimento médico, os profissionais que permanecem atendendo no município estão sendo remanejados, e as pessoas que necessitam de atendimento médico encaminhadas para outras unidades de saúde e a contratação de novos médicos está sendo agilizada.

A alternativa encontrada pela equipe de saúde até nova contratação, será feita de forma emergencial, a partir desta quinta-feira. “O município de Orleans é um dos que tem o salário mais altos da região para os médicos. Depois de estarem estabilizados aqui passam num concurso para residência e seguem suas vidas rumando para centros maiores para fazer Residência médica. Essa semana estamos empenhados contratando outros profissionais”, explica a secretária de Saúde, Luana Debiasi.

Como existe um concurso público para médicos em andamento desde 2017, há previsão de contratação de dois médicos que passam a atender a partir de 11 e 18 de março. A Administração Municipal fará novamente uma contratação em caráter emergencial a partir desta quinta feira 28 e em seguida lançando um novo concurso público para preencher as vagas.

“As contratações devem ocorrer aos poucos, iniciando na próxima semana”, adianta Luana, ressaltando que as coisas devem ir se normalizando, com as Unidades de Saúde permanecendo com atendimento de médico em tempo integral. “Contamos com a compreensão da comunidade, que apesar de ter horários mais limitados para as consultas, não ficará sem o atendimento médico”, destaca a secretária. Ela ressalta que as demais atividades na saúde não estão afetadas.

 

Atendimentos na saúde de janeiro a novembro de 2018 - Principais atividades desenvolvidas na saúde de Orleans

  • Consultas médicas agendadas e realizadas nas unidades de saúde: 19.598
  • Consultas médicas por demanda espontâneas realizadas: 38.052
  • Usuários que agendaram e não compareceram a consulta médica: 654
  • Consultas e procedimentos odontológicos: 29.228
  • Teste Rápido (HIV, sífilis e hepatites): 2.465
  • Procedimentos de enfermagem realizados nas unidades de saúde: 76.630
  • Procedimentos e Pequenas Cirurgias realizados nas unidade de saúde: 2.878
  • Visitas domiciliares por equipe multiprofissional: 522
  • Visitas domiciliares Agentes Comunitárias de Saúde: 98.986
  • Atendimentos individuais realizados por profissionais do NASF: 1.315
  • Atendimentos em grupo realizados pelo NASF: 425
  • Vacinas aplicadas (crianças e adultos): 13.617
  • Atendimentos na Farmácia Central: 23.075
  • Exames Laboratoriais: 10.697
  • Consultas em especialistas e exames de imagem: 11.644
  • Translado para tratamento fora do município: 14.080
  • Atendimentos no Pronto Socorro da Fundação Hospitalar Santa Otília: 23.176
  • Sessões de fisioterapia: 2.500
  • Atendimentos da Vigilância Epidemiológica: 1.797
  • Ações da Vigilância Sanitária (vistorias, coletas de materiais, autuações): 1.809
  • Atendimentos Psicológicos: 3.564
Última modificação em Quinta, 28 Fevereiro 2019 08:44