ban or ban sc ban br

Saúde

Quarta, 06 Novembro 2019 16:18

Repasse para o Hospital

A Administração Municipal de Orleans sancionou agora de manhã, lei autorizando repasse à Fundação Hospitalar Santa Otília (FHSO) no valor de R$ 568.000,00. Pelo cronograma de trabalho aprovado por unanimidade pela Câmara de Vereadores, a municipalidade repassa para a instituição ainda essa semana R$ 168.000,00 e mais três parcelas de R$ 100.000,00 para dezembro e janeiro e fevereiro, e, mais duas parcelas de R$ 50.000, 00 para março e abril. O prefeito Jorge Koch entende que a administração quer o bem da população, o bem da Fundação Hospitalar trabalhando para que a FHSO continue aberta aumentando a sua capacidade e qualidade no atendimento a todo cidadão orleanense e da região. “Somente esse ano já repassamos mais de três milhões para o Hospital”, arremata o chefe do executivo.

O livro pode ser adquirido com as voluntárias da Rede por R$ 20,00 e é convertido para os trabalhos da instituição

A Rede Feminina de Combate ao Câncer (RFCC) de Orleans esteve na noite desta quarta-feira 16, na capital do estado lançando o livro “Rede Feminina de Combate ao Câncer de Orleans, 20 anos de amor ao próximo”, no espaço cultural da Assembleia Legislativa de Santa Catarina. A produção é das voluntárias Édina Furlan Rampineli e Mirele Cruz Debiasi, na obra que conta a trajetória da instituição. O prefeito Jorge Koch participou do evento e falou da importância da RFCC para Orleans.

A obra conta a história da rede desde a criação em 1997, o lançamento oficial em maio de 1998, contando com depoimentos, documentos e histórias de atividades promovidas por voluntárias no município. “O objetivo é apresentar a trajetória da Rede e o trabalho das voluntárias, em prol da mulher”, relatou Édina, ao lado de Mireli.

O prefeito Jorge Koch acompanhou o evento, agradecendo o trabalho voluntário “desses ‘Anjos de rosa’ que salvam vidas levando a prevenção por meio de informações e ações de saúde. Obrigado pela parceria no cuidado com as mulheres orleanenses. Estamos à disposição para ajudar sempre”, reforçando que a saúde é uma preocupação constante da prefeitura lembrando da necessidade da rede ter um terreno, para iniciar a construção da sede própria.

A vereadora Mirele Debiasi, para o levantamento dos dados para escrever a obra utilizou-se os recursos da história oral e análise documental. “Foram realizadas entrevistas com as presidentes, com as voluntárias e com mulheres atendidas pela Rede.” Ela lembrou a significância do ato para a história da rede e a importância do parlamento no trabalho voluntário, destacando o deputado Marcos Vieira na parceria com a entidade.

 

 

Última modificação em Quinta, 17 Outubro 2019 17:21
Quarta, 09 Outubro 2019 08:24

Campanha de vacinação contra o sarampo

Iniciou ontem a vai até o dia 25/10 a vacinação de todas as crianças não vacinadas de seis meses a menores de cinco anos de idade 4 anos, 11 meses e 29 dias

Em parceria com o Ministério da Saúde e Governo do Estado a Secretaria de Saúde de Orleans, começou, ontem, a campanha de vacinação contra o sarampo. A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba, as doses estão disponíveis nas unidades de saúde São Lucas São Francisco, Santa Luzia e Nossa Senhora Aparecida.

Conforme a secretária da saúde, Luana Debiasi, esta Campanha é uma estratégia diferenciada para interromper a circulação do vírus do sarampo no Brasil e será realizada em duas etapas. “Na primeira, serão vacinadas crianças menores de 5 anos, no segundo período, que começa em novembro, o público-alvo são pessoas entre 20 e 29 anos.

 

Dia "D"

O “Dia D” Mobilização Nacional da Campanha acontece no sábado 19, das 8:00 às 17:00 hs, em todas as salas de vacina do município. Informações da Secretaria da Saúde, especificamente para as crianças com 6 meses a menores de 5 anos. O Adjunto da saúde, Fernando de Fáveri, conta que os pais e responsáveis são importantes no processo de controle dessa doença pedindo para “comparecer aos serviços de vacinação com suas crianças, levando a caderneta de vacinação para avaliação e registro”. No dia 30 serão vacinados adultos jovens na faixa de 20 e 29 anos de idade.

A coordenadora Imunização de Orleans, Sara Pavei, reforça a segurança da vacina. “A vacina é segura e feita com vírus vivo atenuado”. Ela conta que as pessoas são orientadas a procurar o serviço de saúde mais próximo em eventual mal-estar ou início de sintomas de reação a vacina”, relata.

 

Problema é grave no Brasil e no estado catarinense. A cada dez pessoas infectadas com a febre amarela duas morrem

A Saúde está em alerta para evitar um surto de Febre Amarela no Estado de Santa Catarina. Um plano de Plano de Ação de Enfrentamento da Febre Amarela já está em funcionamento e as Agentes de Saúde de Orleans já foram capacitadas para realizarem aplicação de questionários e orientações à população.

Nos próximos dias as Agentes Comunitárias de Saúde de Orleans visitaram as famílias orleanenses para orientar sobre a vacinação contra a febre amarela, os riscos da doença e alertar sobre a eminência da circulação do vírus pela nossa região. Além disso será aplicado um questionários para levantamento da situação do município.

A única forma de evitar a febre amarela é a vacinação. A vacina está disponível nas Salas de Imunização da Unidade de Saúde. Pessoas com idade entre 9 meses e 59 anos devem tomar a vacina, em Orleans aproximadamente 5000 pessoas desse grupo ainda não se imunizaram contra a doença. Uma única dose da vacina é suficiente para estar imunizado pelo resto da vida. Pessoas com mais de 60 anos, gestantes e pessoas infectadas pelo HIV precisam de uma avaliação médica para tomar a vacina contra a Febre Amarela.

O vírus está percorrendo o litoral catarinense e se expandindo para as regiões com fragmentos de Mata Atlântica, como as encostas da Serra Geral. Em Santa Catarina, duas mortes por Febre Amarela já foram confirmadas, a primeira foi no dia 28 de março deste ano, um homem de 36 anos, da localidade de Pirabeiraba, em Joinville, e a outra registrada no final de junho, um homem de 40 anos, residente de Itaiópolis, também no Norte do Estado, ambos não tinham tomado a vacina.

A morte de primatas (macaco, bugio, sagui) é indício de circulação do vírus em regiões de matas e florestas, servindo como um alerta para os gestores e profissionais de saúde adotarem medidas de prevenção, uma vez que a doença nestes animais precede os casos humanos. Pessoas que moram ou frequentam áreas de mata podem ajudar como sentinelas, observando e comunicando os serviços de saúde do município em caso de morte ou adoecimento desses animais. Os macacos, bugios e saguis não transmitem a doença para humanos, eles adoecem primeiro pois vivem nas copas das arvores onde circulam os mosquitos transmissores da doença.

A Febre Amarela uma doença infecciosa febril aguda, que pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente. Em ambiente silvestre, os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus, e os macacos são os principais hospedeiros. Os casos humanos ocorrem quando uma pessoa não vacinada entra em contato ou mora próximo às matas e é picada por um mosquito contaminado. No ciclo urbano, o vírus é transmitido ao homem pelos mosquitos Aedes aegypti.

 

Quais os sintomas da Febre Amarela?

Os sintomas iniciais incluem: febre de início súbito, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver: febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Cerca de 20% a 50% das pessoas que desenvolvem a doença na forma grave podem morrer. Vale chamar a atenção para o fato de que a febre amarela pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente.

 

Qualquer pessoa está em risco de contrair febre amarela silvestre?

Sim, pode adquirir a doença qualquer pessoa que não tenha sido vacinada e que resida em áreas onde há registro de transmissão da doença ou apenas as visite, independentemente da idade ou do sexo.

Saiba mais sobre a Febra Amarela: http://www.dive.sc.gov.br/febre-amarela/

 

Fonte: DIVE/SC