ban or ban sc ban br

Saúde

Problema é grave no Brasil e no estado catarinense. A cada dez pessoas infectadas com a febre amarela duas morrem

A Saúde está em alerta para evitar um surto de Febre Amarela no Estado de Santa Catarina. Um plano de Plano de Ação de Enfrentamento da Febre Amarela já está em funcionamento e as Agentes de Saúde de Orleans já foram capacitadas para realizarem aplicação de questionários e orientações à população.

Nos próximos dias as Agentes Comunitárias de Saúde de Orleans visitaram as famílias orleanenses para orientar sobre a vacinação contra a febre amarela, os riscos da doença e alertar sobre a eminência da circulação do vírus pela nossa região. Além disso será aplicado um questionários para levantamento da situação do município.

A única forma de evitar a febre amarela é a vacinação. A vacina está disponível nas Salas de Imunização da Unidade de Saúde. Pessoas com idade entre 9 meses e 59 anos devem tomar a vacina, em Orleans aproximadamente 5000 pessoas desse grupo ainda não se imunizaram contra a doença. Uma única dose da vacina é suficiente para estar imunizado pelo resto da vida. Pessoas com mais de 60 anos, gestantes e pessoas infectadas pelo HIV precisam de uma avaliação médica para tomar a vacina contra a Febre Amarela.

O vírus está percorrendo o litoral catarinense e se expandindo para as regiões com fragmentos de Mata Atlântica, como as encostas da Serra Geral. Em Santa Catarina, duas mortes por Febre Amarela já foram confirmadas, a primeira foi no dia 28 de março deste ano, um homem de 36 anos, da localidade de Pirabeiraba, em Joinville, e a outra registrada no final de junho, um homem de 40 anos, residente de Itaiópolis, também no Norte do Estado, ambos não tinham tomado a vacina.

A morte de primatas (macaco, bugio, sagui) é indício de circulação do vírus em regiões de matas e florestas, servindo como um alerta para os gestores e profissionais de saúde adotarem medidas de prevenção, uma vez que a doença nestes animais precede os casos humanos. Pessoas que moram ou frequentam áreas de mata podem ajudar como sentinelas, observando e comunicando os serviços de saúde do município em caso de morte ou adoecimento desses animais. Os macacos, bugios e saguis não transmitem a doença para humanos, eles adoecem primeiro pois vivem nas copas das arvores onde circulam os mosquitos transmissores da doença.

A Febre Amarela uma doença infecciosa febril aguda, que pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente. Em ambiente silvestre, os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus, e os macacos são os principais hospedeiros. Os casos humanos ocorrem quando uma pessoa não vacinada entra em contato ou mora próximo às matas e é picada por um mosquito contaminado. No ciclo urbano, o vírus é transmitido ao homem pelos mosquitos Aedes aegypti.

 

Quais os sintomas da Febre Amarela?

Os sintomas iniciais incluem: febre de início súbito, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver: febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Cerca de 20% a 50% das pessoas que desenvolvem a doença na forma grave podem morrer. Vale chamar a atenção para o fato de que a febre amarela pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente.

 

Qualquer pessoa está em risco de contrair febre amarela silvestre?

Sim, pode adquirir a doença qualquer pessoa que não tenha sido vacinada e que resida em áreas onde há registro de transmissão da doença ou apenas as visite, independentemente da idade ou do sexo.

Saiba mais sobre a Febra Amarela: http://www.dive.sc.gov.br/febre-amarela/

 

Fonte: DIVE/SC

Juventude é público alvo de campanha do Ministério da Saúde sobre prevenção ao suicídio. Tema também é trabalhado pela Secretaria Municipal de Saúde com ações e informações

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a cada 40 segundos uma pessoa morre precocemente ao tirar a própria vida no mundo. Já no Brasil, a cada 46 minutos alguém comete suicídio. Os dados alarmantes propuseram a realização de um mês de conscientização para a importância da prevenção ao suicídio, o Setembro Amarelo. Entre jovens de 15 a 29 anos, esta é a terceira causa de morte, enquanto crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, o suicídio é a sétima causa de morte.

Apesar de o problema afetar todas as faixas etárias, o índice de suicídios entre a população jovem tem preocupado autoridades do mundo inteiro. Para aproveitar o mês de conscientização, O Ministério da Saúde vai focar na necessidade de atenção especial com o bem-estar e saúde mental de crianças e adolescentes. A campanha Setembro Amarelo ocorre anualmente e tem o objetivo de sensibilizar e conscientizar a população sobre a questão e informar sobre os sinais que precisam ser observados com atenção, bem como os locais onde procurar ajuda.
A depressão

Um dos principais fatores de risco para o suicídio é a depressão. Os sintomas são perceptíveis e qualquer pessoa pode observar quem estiver passando por este problema e, assim por procurar ajuda. Entre os sintomas estão:

  • Alteração do padrão de sono (dorme mais)
  • Falta de apetite
  • Alteração de humor
  • Desânimo
  • Queda no rendimento escolar
  • Isolamento
  • Uso contínuo de roupas compridas em dias de calor para esconder os braços

 

Centro de Valorização à Vida

O Centro de Valorização da Vida (CVV), fundado em São Paulo, em 1962, é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal, desde 1973. Presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo e anonimato.

A ajuda pode ser obtida junto aos contatos com o CVV feitos pelos telefones 188 (24 horas e sem custo de ligação), pessoalmente (em 110 postos de atendimento) ou pelo site www.cvv.org.br, por chat e e-mail. Nestes canais, são realizados mais de 2 milhões de atendimentos anuais, por aproximadamente 2.400 voluntários, localizados em 19 estados mais o Distrito Federal.

Canais de Ajuda
CVV – Centro de Valorização a Vida
Ligue – 141 (24horas, todos os dias)
https://www.cvv.org.br

Estima-se que 70 a 80% dos casos de pessoas deficientes poderia ser evitado. Município promove Semana Laranja com o tema “Quebra de paradigmas: evite deficiências”.

Dados passados pela saúde apontam que o Brasil possui uma população de 190.755.799 de habitantes, sendo que pelo menos 45.606.048 (23,91%) possuem alguma deficiência – visual, auditiva, física ou intelectual. Segundo dados de cadastro do sistema E-SUS AB, até o início do mês de agosto deste ano, em Orleans, são 1705, ou seja, 6,7% da população local tem alguma deficiência. Destes, 1226 são deficientes visuais, 160 auditivos, 228 físicos, 118 possuem deficiência intelectual/cognitiva e outras deficiências somam 103. Acredita-se que os elevados índices de deficiências poderiam ter sido reduzidos se investindo-se em prevenção.

A Organização das Nações Unidas (ONU) define prevenção como o conjunto de ações destinadas a impedir a ocorrência de limitações físicas, intelectuais, psíquicas ou sensoriais, ou evitar que os impedimentos causem uma deficiência ou limitação funcional permanente. A existência de políticas sociais básicas e a conscientização da sociedade para a responsabilidade de prevenir, pode fazer com que 70 a 80% dos casos de deficiências possam ser evitados; desde que algumas medidas e cuidados fosse efetivado antes e durante a gravidez, na hora do parto e após o nascimento.

O prefeito Jorge Koch conta que esse projeto vem ampliar a divulgação, “possibilitando que toda a comunidade orleanense tenha acesso às informações de como prevenir as deficiências”, explica o chefe do executivo.

Tendo em vista que um dos objetivos das Apaes é proporcionar ações e conscientização junto aos diferentes segmentos sociais, sobre a cultura de prevenção de deficiência, desde 2013 a Apae de Orleans desenvolve trabalhos de conscientização nas comunidades, ruas, escolas, universidade, unidades de saúde, empresas, mídia, entidades sociais e hospital. Com a evolução do conhecimento científico, o esperado seria que a taxa de incidência de deficiências fosse gradativamente diminuindo. Mas a realidade diverge da expectativa e acredita-se que a redução não vem ocorrendo de maneira satisfatória devido ao número de pessoas com deficiências (que poderiam ter sido evitadas) encaminhadas à Apae.

Durante o período de 2013 (2 alunos matriculados na estimulação) ao 1º semestre de 2019 (35 alunos matriculados na estimulação), houve um aumento significativo de alunos de 0 a 5 anos e 11 meses matriculados na instituição. Este aumento pode estar relacionado ao efetivo trabalho de prevenção realizado entre instituição e sociedade. Ano passado, com a Lei n° 2.838 ficou instituída no município de Orleans a "Semana Laranja", entre os dias 21 e 28 do mês de agosto, dedicada à realização de ações de "Conscientização e Prevenção às Deficiências". A autoria foi do vereador Antônio Dias André visto que a cultura de conscientização de prevenção de deficiências deve interessar a todos os cidadãos e ao governo municipal.

Já 2019 está sendo um marco no programa de prevenção, pois, conjuntamente as secretarias municipais de Saúde e Educação, com o apoio da Apae, Adore e Unibave, haverá uma capacitação aos profissionais da saúde, educação e assistência social para auxiliar na identificação precoce de atraso ou deficiências. “Acreditamos que ação educativa é uma estratégia simples e eficaz, de menor custo, podendo ser aplicada a nossa realidade, através de informação e orientação, conscientizando a sociedade sobre as necessidades dos cuidados prioritários com a própria saúde e da população em geral, diminuindo e evitando deficiências decorrentes na sua grande maioria, pela falta de informação”, relata a secretária de Saúde Luana Debiasi.

O que é?

♦ Agosto Laranja
♦ Tema: “Quebra de paradigmas: evite deficiências”
♦ Realização: Secretaria Municipal de Saúde
♦ Apoio: Secretaria Municipal de Educação, Apae, Adore, Unibave
♦ Agência oficial: Aspekto Comunicação

Programação
05.08 – Segunda-feira
♦ 19h – Abertura Oficial
♦ Local: Câmara de Vereadores de Orleans
♦ 15.08 – Quinta-feira
♦ 9:00 hs – Grupo de gestante – Prevenção das deficiências
♦ Local: NASF

21.08 –Quarta-feira
♦ Encontro alusivo à Semana Laranja
♦ “Quebra de paradigmas: evite deficiências”
♦ Público alvo: profissionais da secretaria de saúde, diretoras e orientadoras das escolas municipais e estaduais, conselheiros tutelares, equipe técnica do Cras e Creas.
♦ Local: Centro de Convivência da 3ª Idade – Emília Debiasi Pinter
♦ 13h30min – Abertura: Teatro da APAE

 

Os profissionais foram contratados pelo concurso na Secretaria Municipal de Saúde e já estão atendendo nas unidades

A Administração Municipal de Orleans convidou os profissionais de imprensa para uma coletiva, anunciando que chegaram em Orleans os médicos concursados que a Secretaria de Saúde agilizou o concurso público para substituição de profissionais que deixaram Orleans para fazer residência médica. Desde a segunda-feira 08, a cidade já conta com profissionais médicos concursados para o atendimento ao público.

Os novos médicos estão atuando nas Unidades Básica de Saúde (UBS) Nossa Sra. Aparecida da Pindotiba, São Roque no Bairro Barro Vermelho e dois profissionais na Unidade São José. Segundo a Secretária de Saúde, Luana Debiasi, Esses profissionais vem para completar as equipes do Programa Saúde da Família. “Entendemos que com o trabalho desses profissionais vamos diminuir o as filas e melhorar a qualidade do atendimento”, ressaltou a secretária.

O vice-prefeito Mário Coan na sua mensagem de boas-vindas solicitou aos novos profissionais que façam a diferença na qualidade do atendimento às pessoas e equipes “receitando e melhorando a qualidade de vida do orleanense”, comentou o Coan.

Para o chefe do executivo os reflexos das contratações começam a ser sentidos imediatamente após o início da atuação dos médicos junto às equipes. De acordo com o prefeito, atualmente, a rede municipal de Saúde possui em seu quadro 09 médicos atendendo nas unidades de saúde e mais um profissional na central de regulação. A administração tem se esmerando para dar um atendimento especial ao orleanense. “Estamos sentindo uma expectativa muito boa com a chegada desses novos membros nas equipes”.

O prefeito entende que saúde é uma área sensível em qualquer lugar do Brasil e na admissão recomendou aos profissionais que entrem para a rede municipal de saúde com empenho, para proporcionar uma atenção básica cada vez melhor”, comentou o prefeito Jorge Koch.